-

-

REFERÊNCIA HISTÓRICA


A Confraria do Senhor dos Passos, da Cidade de Valongo, foi instituída no Ano de 1710.

Foi seu instituidor João Vieira de Mesquita, homem abastado, natural de Fânzeres.
Este, marido extremamente ciumento, duvidava da fidelidade de sua mulher, e um dia, em que o seu doentio ciúme atingiu o auge, apoderou-se dela e levou-a para uma propriedade que possuía no lugar do Moinho do Ouro, em Valongo.
A viagem foi dramática e penosa, pois o marido desvairado fez sua desditosa mulher, senhora de condição, percorrer a longa distância entre Fânzeres e Valongo, através de montes e vales, descalça e sob os mais humilhantes enxovalhos.
Rodaram os anos, e a verdade desnudou-se: o marido ciumento veio a certificar-se de que havia cometido uma tremenda injustiça, pois sua mulher sempre havia sido esposa exemplar.
Então, torturado pelo remorso, o marido arrependido decidiu, para desagravo do seu erro, instituir uma confraria que recordasse à posteridade os passos dolorosos da sua desventurada mulher.
E assim nasceu a Confraria do Senhor dos Passos, também conhecida pela designação de Confraria dos Santos Passos.
Esta Confraria tem Capela privativa, que fica situada ao lado da Igreja Matriz de Valongo. Nessa Capela está sepultado o seu instituidor. Uma pedra, com uma inscrição, cobre a sua sepultura, aberta no meio do pavimento.
Esta Capela tem um altar com três Santuários com as imagens da Senhora da Soledade, Senhor dos Passos e Senhor "Ecce Homo", respectivamente à esquerda, ao centro e à direita.
Os três Santuários são encimados por um "Calvário" que outrora era composto por sete figuras em tamanho natural. Presentemente nele estão colocadas outras imagens provenientes de "passos", que tendo sido edificados pela piedade dos homens foram depois demolidos pelo camartelo do... progresso.
Graças ao bairrismo do Povo de Valongo e à generosidade de algumas Famílias ilustres da Cidade, entre as quais é dever destacar a Família Alves Saldanha, a Confraria do Senhor dos Passos foi sucessivamente enriquecida com valiosas alfaias, que pela sua riqueza e valor artístico podem, sem qualquer exagero de bairrismo, considerar-se como das melhores, no género, do País.
Entre essas alfaias destacam-se: a túnica do Senhor dos Passos, que é de veludo roxo, bordado a ouro; o vestido e o manto da Senhora da Soledade, que são de finíssima seda, também bordados a ouro; o pálio, feito de gorgorão roxo belamente bordado a ouro e prata.
Este último é uma peça de valor inestimável que, só por si, constitui legítimo orgulho para a Cidade de Valongo. Foi ofertado à Confraria, em 1905, pelo falecido e ilustre Valonguense João Alves Saldanha.


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~



sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Feliz e Santo Natal

domingo, 19 de dezembro de 2010

IV Domingo do Advento

Chegamos ao IV Domingo do Advento, preparemos o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo.
ORAÇÃO COLECTA
Infundi, Senhor, a vossa graça em nossas almas, para que nós, que pela anunciação do Anjo
conhecemos a encarnação de Cristo, vosso Filho, pela sua paixão e morte na cruz alcancemos a glória da ressurreição.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

EVANGELHO Mt 1, 18-24
Jesus nascerá de Maria, noiva de José, filho de David
No Evangelho proclamamos que o anúncio profético da primeira leitura se realizou, à letra, quando a Virgem Santa Maria Se tornou Mãe de Jesus. O desígnio de Deus é um só, e vai-se realizando, através das gerações, apesar da infidelidade dos homens, até atingir o ponto culminante em Jesus Cristo, O qual encarnou pelo poder do Espírito Santo, na Virgem Maria, esposa de José, filho de David.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
O nascimento de Jesus deu-se do seguinte modo: Maria, sua Mãe, noiva de José, antes de terem vivido em comum, encontrara-se grávida por virtude do Espírito Santo. Mas José, seu esposo, que era justo e não queria difamá-la, resolveu repudiá-la em segredo. Tinha ele assim pensado, quando lhe apareceu num sonho o Anjo do Senhor, que lhe disse: «José, filho de David, não temas receber Maria, tua esposa, pois o que nela se gerou é fruto do Espírito Santo. Ela dará à luz um Filho e tu pôr-Lhe-ás o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados». Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor anunciara por meio do Profeta, que diz: «A Virgem con¬ceberá e dará à luz um Filho, que será chamado ‘Emanuel’, que quer dizer ‘Deus connosco’». Quando despertou do sono, Jo¬¬sé fez como o Anjo do Senhor lhe ordenara e recebeu sua esposa.
Palavra da salvação.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, os dons que trazemos ao vosso altar e santificai-os com o mesmo Espírito
que, pelo poder da sua graça, fecundou o seio da Virgem Santa Maria.
Por Nosso Senhor.

Prefácio do Advento II

ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Is 7, 14
A Virgem conceberá e dará à luz um filho.
O seu nome será Emanuel, Deus-connosco.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Tendo recebido neste sacramento o penhor da redenção eterna, nós Vos pedimos, Senhor: quanto mais se aproxima a festa da nossa salvação, tanto mais cresça em nós o fervor para celebrarmos dignamente o mistério do Natal do vosso Filho.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

domingo, 12 de dezembro de 2010

III Domingo do Advento

Chegamos ao III Domingo do Advento, continuando assim, a preparar a vinda próxima do Senhor.
ORAÇÃO COLECTA
Deus de infinita bondade, que vedes o vosso povo esperar fielmente o Natal do Senhor, fazei-nos chegar às solenidades da nossa salvação e celebrá-las com renovada alegria.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo

EVANGELHO Mt 11, 2-11
«És tu Aquele que há-de vir ou devemos esperar outro?»

O sonho de Isaías, descrito na primeira leitura, aparece nesta leitura realizado por Jesus. É Ele que, finalmente, vem anunciar a Boa Nova do seu mistério pascal, em que todos somos chamados a participar. Assim, o fim dos tempos e a sua última vinda já está, em certo modo, a realizar-se. Mas é preciso aguardar, na fidelidade e na vigilância, que ela se realize completamente.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. Mateus
Naquele tempo, João Baptista ouviu falar, na prisão, das obras de Cristo e mandou-Lhe dizer pelos discípulos: «És Tu Aquele que há-de vir, ou devemos esperar outro?». Jesus respondeu-lhes: «Ide contar a João o que vedes e ouvis: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e a Boa Nova é anunciada aos pobres. E bem-aventurado aquele que não encontrar em Mim motivo de escândalo». Quando os mensageiros partiram, Jesus começou a falar de João às multidões: «Que fostes ver ao deserto? Uma cana agitada pelo vento? Então que fostes ver? Um homem vestido com roupas delicadas? Mas aqueles que usam roupas delicadas encontram-se nos palácios dos reis. Que fostes ver então? Um profeta? Sim – Eu vo-lo digo – e mais que profeta. É dele que está escrito: ‘Vou enviar à tua frente o meu mensageiro, para te preparar o caminho’. Em verdade vos digo: Entre os filhos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Baptista. Mas o menor no reino dos Céus é maior do que ele».
Palavra da salvação.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Fazei, Senhor, que a oblação deste sacrifício se renove sempre na vossa Igreja, de modo que a celebração do mistério por Vós instituído realize em nós plenamente a obra da salvação.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Is 35, 4
Dizei aos desanimados: Tende coragem e não temais.
Eis o nosso Deus que vem salvar-nos.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei, Senhor, pela vossa bondade, que este divino sacramento nos livre do pecado e nos prepare para as festas que se aproximam.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria | 8 de Dezembro

Há muitos séculos que celebramos a Imaculada Conceição de Nossa Senhora, a 8 de Dezembro. Há três séculos e meio (1646) tomámo-la por Rainha e Padroeira de Portugal.
A Imaculada Conceição é segundo o dogma católico, a concepção da Virgem Maria sem mancha ("mácula" em latim) do pecado original. Desde o primeiro instante de sua existência, a Virgem Maria foi preservada por Deus, da falta de graça santificante que aflige a humanidade, porque ela estava cheia de graça divina. A Virgem Maria viveu uma vida completamente livre de pecado.
A festa da Imaculada Conceição, comemorada em 8 de dezembro, foi definida como uma festa universal em 1476 pelo Papa Sisto IV.
Em Portugal, é Feriado Nacional (Dia Santo), assim como, na Áustria, Espanha e Itália.
Mais do que qualquer outro tempo do Ano Litúrgico, o Advento é tempo de Maria, pois é nele que A vemos em mais íntima relação com o Seu filho, ao Qual está unida «por vínculo estreito e indissolúvel» (LG. 53). Se o Senhor veio ao meio dos homens, se Ele vem ainda, é por meio de Maria. N’Ela se cumpre, na verdade, o mistério do Advento.
Embora, na sua origem e no seu princípio, a Solenidade da Imaculada Conceição, que vem do século XI, não nos apareça em ligação com o Advento, contudo ela é uma verdadeira festa do Advento. Ela é a aurora que precede, anuncia e traz em si o Dia novo, que está para surgir no Natal.
Enaltecendo a Virgem Maria, esta Solenidade, em vez de nos desviar do Mistério de Cristo, leva-nos, pelo contrário, a exaltar a obra da Redenção, ao apresentar-nos Aquela que foi a primeira a beneficiar dos seus frutos, tornando-se a imagem e o modelo segundo o qual Deus quer refazer o rosto da Humanidade, desfigurado pelo pecado.
Assim como na aurora se projecta a luz do sol, de cujos raios ela tira a vida, assim em Maria Imaculada se reflecte o poder do Salvador que está para vir: a Seus méritos Ela deve, com efeito, o ter sido «remida de modo mais sublime» (LG. 53).
Festa de Advento, a Solenidade da Imaculada Conceição constitui uma bela preparação para o Natal.
Missa
ANTÍFONA DE ENTRADA Is 61, 10
Exulto de alegria no Senhor, a minha alma rejubila no meu Deus, que Me revestiu com as vestes da salvação e Me envolveu com o manto da justiça, como esposa adornada com suas jóias.

ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, que, pela Imaculada Conceição da Virgem Maria, preparastes para o vosso Filho uma digna morada e, em atenção aos méritos futuros da morte de Cristo, a preservastes de toda a mancha, concedei-nos, por sua intercessão, a graça de chegarmos purificados junto de Vós.

Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
EVANGELHO Lc 1, 26-38
«Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é contigo»
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas Naquele tempo, o Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma Virgem desposada com um homem chamado José, que era descendente de David. O nome da Virgem era Maria.
Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo:«Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo». Ela ficou perturbada com estas palavras e pensava que saudação seria aquela. Disse-lhe o Anjo: «Não temas, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Conceberás e darás à luz um Filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-Se-á Filho do Altíssimo. O Senhor Deus Lhe dará o trono de seu pai David; reinará eternamente sobre a casa de Jacob e o seu reinado não terá fim». Maria disse ao Anjo: «Como será isto, se eu não conheço homem?». O Anjo respondeu-lhe: «O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o Santo que vai nascer será chamado Filho de Deus.
E a tua parenta Isabel concebeu também um filho na sua velhice e este é o sexto mês daquela a quem chamavam estéril; porque a Deus nada é impossível». Maria disse então:
«Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra».
Palavra da salvação.

Altar da Imaculada Conceição/Igreja Matriz de Valongo (2008)


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, o sacrifício de salvação que Vos oferecemos na solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria e, assim como acreditamos que, por vossa graça, Ela foi isenta de toda a mancha, sejamos nós, por sua intercessão, livres de toda a culpa.
Por Nosso Senhor.

ANTÍFONA DA COMUNHÃO
Grandes coisas se dizem de Vós, ó Virgem Maria, porque de Vós nasceu o Sol da justiça, Cristo nosso Deus.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
O sacramento que recebemos, Senhor, cure em nós as feridas daquele pecado, do qual, por singular privilégio, preservastes a Virgem Santa Maria, na sua Imaculada Conceição.
Por Nosso Senhor.



Liturgia das horas
Das Meditações de Santo Anselmo, bispo

(Oratio 52: PL 158, 955-956) (Sec. XII)

Ó Virgem, pela tua bênção é abençoada toda a criatura
O céu, as estrelas, a terra, os rios, o dia e a noite, e tudo quanto está sujeito ao poder ou ao serviço dos homens se alegram, Senhora, porque, tendo perdido a sua antiga nobreza, foram em certo modo ressuscitados por meio de Ti e dotados de uma graça nova e inefável.
Todas as coisas se encontravam como mortas, por terem perdido a sua dignidade original de servir o domínio e o uso daqueles que louvam a Deus, para que tinham sido criadas; encontravam-se esmagadas pela opressão e desfiguradas pelo abuso que delas faziam os servos dos ídolos, para os quais não tinham sido criadas. Agora, porém, como que ressuscitadas, felicitam a Maria, ao verem-se governadas pelo domínio e honradas pelo uso daqueles que louvam o Senhor.
Perante esta nova e inestimável graça, todas as coisas exultam de alegria, ao sentir que Deus, seu Criador, não só as governa invisivelmente, lá do alto, mas também está visivelmente presente no meio delas e as santifica com o uso que delas faz. Tão grandes bens procedem do fruto bendito do ventre sagrado da Virgem Maria.
Pela plenitude da tua graça, o que estava cativo na região dos mortos exulta de alegria ao ver-se libertado, e o que estava ainda no mundo regozija-se ao sentir-se renovado. Pelo poder do Filho glorioso da tua gloriosa virgindade, os justos, que morreram antes da sua morte vivificadora, alegram-se ao ver destruído o seu cativeiro, e os Anjos regozijam-se ao ver restaurada a sua cidade quase em ruínas.
Ó Mulher cheia de graça, superabundante de graça, a tua plenitude transborda para a criação inteira e a faz reverdescer. Virgem bendita, entre todas as coisas bendita, pela tua bênção é abençoada toda a natureza, não só a criatura pelo Criador, mas também o Criador pela criatura.
Deus entregou a Maria o seu próprio Filho, o seu Filho Unigénito, igual a Si, a quem amava de todo o coração como a Si mesmo. No seio de Maria, Deus formou o Filho, não distinto, mas o mesmo, para que realmente fosse um e o mesmo o Filho de Deus e de Maria. Tudo o que nasce é criatura de Deus, e Deus nasce de Maria. Deus criou todas as coisas, e Maria gerou a Deus. Deus, que criou todas as coisas, fez-Se a Si mesmo por meio de Maria. E deste modo refez tudo o que tinha feito. Ele, que pôde fazer todas as coisas do nada, não quis refazer sem Maria o que tinha sido arruinado.
Por esta razão, Deus é o Pai das coisas criadas, e Maria a mãe das coisas recriadas. Deus é o Pai a quem se deve a constituição do mundo, e Maria a mãe a quem se deve a sua restauração. Pois Deus gerou Aquele por quem tudo foi feito, e Maria deu à luz Aquele por quem tudo foi salvo. Deus gerou Aquele fora do qual nada existe, e Maria deu à luz Aquele sem o qual nada subsiste.
Verdadeiramente o Senhor está contigo, pois quis que toda a criatura reconhecesse que deve a Ti, com Ele, tão grande benefício.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

S. NICOLAU, Bispo | 6 de Dezembro

Celebramos hoje no calendário litúrgico, a memória de S. Nicolau, Bispo de Mira, na Lícia (hoje Turquia), morreu nos meados do século IV e foi venerado em toda a Igreja, sobretudo a partir do século X.

Nota Histórica
Foi Bispo de Mira (na Turquia) e tem o seu dia reservado na Igreja a 6 de Dezembro de cada ano. O seu culto remonta ao século VI e pela sua popularidade, tornou-se protector dos famintos, das raparigas pobres, dos perseguidos, contra as heresias, dos comerciantes, dos marinheiros e navegantes e das crianças. Para além disso, São Nicolau é o glorioso Patrono dos Estudantes, em homenagem ao facto de ter ressuscitado três estudantes que haviam sido esquartejados por um estalajadeiro e também, pelo saber manifestado contra os inimigos da fé.

É curioso verificar que, com origem no norte da Europa, ainda hoje este santo é venerado, sendo o originário da figura universal do Pai Natal (Santa Klaus, Saint Nicholas).
Tendo-se espalhado e enraizado por todo o ocidente europeu, o culto de S.Nicolau entrou em Portugal, tendo a sua celebração lugar, sobretudo, no centro e norte do país, tendo adquirido em Guimarães uma fixação especial.
Em Guimarães, o culto a S.Nicolau chegou através das influências exercidas pelos Romeiros de Santiago (que ainda hoje existem em Portugal e de forma organizada) sobre o centro e norte de Portugal, chegados através do Caminho de Santiago, bem como, pelas tradições do culto ao Padroeiro dos Estudantes, trazidas da Universidade de Coimbra (onde existiu uma Irmandade de S.Nicolau fundada em 1144) e da Universidade de Salamanca (onde existiam as célebres “Caminhadas de São Nicolau”), pelos estudantes vimaranenses que aí cursavam no ensino superior.

Desde 1691, existe formalmente em Guimarães a “Irmandade de São Nicolau”, de que são irmãos todos os nicolinos e vimaranenses em geral e que tem tido ao longo dos séculos um papel fundamental na manutenção do culto ao Padroeiro dos Estudantes. Quer através da recente reconstrução da Capela de S.Nicolau (a Capela de São Nicolau havia sido construída pelos estudantes de Guimarães, em 1664), situada no Largo da Oliveira ao lado da Igreja de Nossa Senhora da Oliveira, quer através da organização da missa do santo, todos os anos, no domingo mais próximo do dia 6 de Dezembro, na Igreja da Oliveira.
A esta cerimónia comparecem os irmãos, os estudantes novos e velhos e os populares em geral, numa cerimónia carregada de tradição e que se pode classificar como um verdadeiro hino ao vimaranensismo.

Missa
ORAÇÃO
Protegei o vosso povo, Deus de misericórdia, e, por intercessão do bispo São Nicolau, guardai-nos de todos os perigos no caminho que conduz à salvação. Por Nosso Senhor.

Liturgia das horas
Do Tratado de Santo Agostinho, bispo, sobre o Evangelho de São João

(Tr. 123, 5; CCL 36, 678-680) (Sec. V)

A força do amor vença o temor da morte


O Senhor pergunta, não uma, mas duas e três vezes o que já sabia: se Pedro O amava; e por três vezes ouve de Pedro repetir que O ama; e por três vezes faz a Pedro a mesma recomendação, de apascentar as suas ovelhas.
À tríplice negação corresponde a tríplice confissão, para que a língua não sirva menos ao amor que ao temor, e não pareça que a iminência da morte o obrigou a falar mais do que a presença da vida.
Seja serviço de amor apascentar o rebanho do Senhor como foi sinal de temor negar o Pastor. Os que apascentam as ovelhas de Cristo como se fossem suas e não de Cristo, mostram que não amam a Cristo mas a si mesmos.
Contra esses, que também o Apóstolo censura dizendo que procuram os próprios interesses e não os de Cristo, estas palavras que o Senhor repete insistentemente são uma séria advertência: Amas-Me? Apascenta as minhas ovelhas.
Quer dizer: se Me amas, não penses em apascentar-te a ti mesmo, mas sim as minhas ovelhas: apascenta-as como minhas, não como tuas; procura nelas a minha glória e não a tua; a minha propriedade e não a tua; os meus interesses e não os teus; não sejas daqueles que nos tempos de perigo só se amam a si mesmos e tudo o que deriva deste princípio, que é a raiz de todo o mal. Os que apascentam as ovelhas de Cristo não se amem a si mesmos; não as apascentem como próprias, mas como de Cristo.
O defeito que mais devem evitar os que apascentam as ovelhas de Cristo consiste em procurar os interesses próprios e não os de Jesus Cristo, destinando ao proveito próprio aqueles por quem Cristo derramou o seu sangue.
O amor de Cristo deve crescer até atingir tal grau de ardor espiritual naquele que apascenta a suas ovelhas, que supere mesmo o natural temor da morte, que nos leva a não querer morrer, ainda que queiramos viver com Cristo.
Mas, por maior que seja o temor da morte, deve ser superado pela força do amor Àquele que, sendo a nossa vida, quis também padecer a morte por nós.
Com efeito, se na morte não houvesse nenhum sofrimento, não seria tão grande a glória dos mártires. Mas, se o Bom Pastor, que deu a vida pelas suas ovelhas, suscitou tantos mártires entre as suas ovelhas, quanto mais devem lutar pela verdade até à morte, e até ao sangue, contra o pecado, aqueles a quem o Senhor confiou a missão de apascentar as suas ovelhas, isto é, de as instruir e orientar?
Perante o exemplo da paixão de Cristo, e ao pensar em tantas ovelhas que já O imitaram, quem não compreende que os pastores devem ser os primeiros a imitar o Pastor? Na verdade, os mesmos pastores são também ovelhas do único rebanho, governado pelo único Pastor. De todos nós Ele fez suas ovelhas, por todos nós padeceu; e, para padecer por todos nós, Ele mesmo Se fez Cordeiro.

domingo, 5 de dezembro de 2010

II Domingo do Advento

Celebramos hoje dia 5 de Dezembro, o II Domingo do Advento, tempo de preparação para o Nascimento de Jesus.

ORAÇÃO COLECTA
Concedei, Deus omnipotente e misericordioso, que os cuidados deste mundo não sejam obstáculo para caminharmos generosamente ao encontro de Cristo, mas que a sabedoria do alto nos leve a participar no esplendor da sua glória. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

EVANGELHO Mt 3, 1-12
«Arrependei-vos, porque está perto o reino dos Céus»


João Baptista, que veio à frente do Senhor a preparar-Lhe o caminho, é a grande figura deste Domingo. Para nós ele é também, hoje, o Precursor. E o caminho que nos aponta para nos levar a Jesus, ao reino dos Céus, é logo de início, a conversão, a penitência, o arrependimento em relação aos nossos caminhos mal andados, para que nos lancemos pelos caminhos de Jesus, que levam ao Pai. Só por aí se pode ir ao encontro do Senhor que vem; é esse o caminho do Advento.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naqueles dias, apareceu João Baptista a pregar no deserto da Judeia, dizendo: «Arrependei-vos, porque está perto o reino dos Céus». Foi dele que o profeta Isaías falou, ao dizer: «Uma voz clama no deserto: ‘Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas’». João tinha uma veste tecida com pêlos de camelo e uma cintura de cabedal à volta dos rins. O seu alimento eram gafanhotos e mel silvestre. Acorria a ele gente de Jerusalém, de toda a Judeia e de toda a região do Jordão; e eram baptizados por ele no rio Jordão, confessando os seus pecados. Ao ver muitos fariseus e saduceus que vinham ao seu baptismo, disse-lhes: «Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir? Praticai acções que se conformem ao arrependimento que manifestais. Não penseis que basta dizer: ‘Abraão é o nosso pai’, porque eu vos digo: Deus pode suscitar, destas pedras, filhos de Abraão. O machado já está posto à raiz das árvores. Por isso, toda a árvore que não dá fruto será cortada e lançada ao fogo. Eu baptizo-vos com água, para vos levar ao arrependimento. Mas Aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu e não sou digno de levar as suas sandálias. Ele baptizar-vos-á no Espírito Santo e no fogo. Tem a pá na sua mão: há-de limpar a eira e recolher o trigo no celeiro. Mas a palha, queimá-la-á num fogo que não se apaga».
Palavra da salvação.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Olhai benignamente, Senhor, para as nossas humildes ofertas e orações e, como diante de Vós não temos méritos, ajudai-nos com a vossa misericórdia.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio do Advento I
ANTÍFONA DA COMUNHÃO Bar 5, 5; 4, 36
Levanta-te, Jerusalém, sobe às alturas e vê a alegria
que vem do teu Deus.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Saciados com o alimento espiritual, humildemente Vos pedimos, Senhor, que, pela participação neste sacramento, nos ensineis a apreciar com sabedoria os bens da terra e a amar os bens do Céu.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Concerto de Natal 2010 | Igreja Matriz de Valongo

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Missão 2010 | Dezembro: Luz

“Acolher a vida de Deus, irradiar a Luz em abundância”
Propostas pastorais para a Missão - Dezembro

Dezembro - MISSÃO 2010

PROGRAMA:


• 18 Nov a 22 de Dezembro -Exposição/venda de Natal – Pintura/Escultura no Palacete Visconde de Balsemão – Praça Carlos
• 1 de Dezembro - Exposição de Presépios paroquiais
• 3 de Dezembro - Concerto - Coro de Crianças e Orquestra de Sinos / 21.30, no Palacete dos Viscondes de Balsemão, Praça Carlos Alberto, no Porto
• 12 de Dezembro - Jubileu dos catequistas
• 13/19 - Semana do Anúncio
• 16 de Dezembro - Novena do Menino
• 18 - Encontro à volta do Natal
• Cantares de Natal
• 24 de Dezembro - Vigília e Missa do Galo
• 28 Dez/1 Jan - Peregrinação da Confiança (Roterdão, Holanda)
• 31 de Dezembro - Cordão de Luz – caminhada
• 31 de Dezembro - Vigília: Paz e Dignidade
--------------------------------------------------------------------------------
Após 11 meses de “Missão 2010”, eis-nos chegados aos primeiros dias do Advento, em que a liturgia nos convida a viver um tempo de espera e de promessa, um tempo de contemplação do Deus que rasga os céus e faz acontecer a salvação. Dezembro, envolvido nas cores do Advento, mergulha-nos no mistério da Encarnação, volta-nos para o coração da história em que “o Verbo fez-se homem e veio habitar connosco (Jo 1, 14), em que o “Verbo era a Luz verdadeira, que, ao vir ao mundo, a todo o homem ilumina (Jo 1,9). Assim, na continuidade da dinâmica da Missão 2010, o mês de Dezembro será o mês da LUZ, o mês que nos convida a «Acolher a vida de Deus e a irradiar a Luz em abundância».
Secretariado Diocesano da Educação Cristã

Vídeo/Dezembro - Luz

terça-feira, 30 de novembro de 2010

S. André, Apóstolo | 30 Novembro


Celebramos, hoje no calendário Litúrgico a memória de Santo André, Apóstolo e irmão de Pedro.

Nota Histórica
André, natural de Betsaida, foi primeiramente discípulo de João Baptista e depois seguiu a Cristo, a quem apresentou também seu irmão Pedro. Juntamente com Filipe introduziu à presença de Jesus uns gentios que O queriam ver, e foi ele também que indicou o rapaz que tinha os peixes e o pão. Segundo uma tradição, depois do Pentecostes pregou em diversas regiões e foi crucificado na Acaia.

Missa
ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Mt 4, 18-19
Caminhando Jesus junto ao mar da Galileia, viu dois irmãos, Pedro e André, e chamou-os, dizendo: Vinde comigo; farei de vós pescadores de homens.

ORAÇÃO COLECTA
Nós Vos suplicamos, Deus omnipotente, que, assim como o apóstolo Santo André foi na terra pregador do Evangelho e pastor da vossa Igreja, seja também no Céu poderoso intercessor junto de Vós.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

EVANGELHO Mt 4, 18-22
«Eles deixaram logo as redes e seguiram Jesus»


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Caminhando Jesus ao longo do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André, que lançavam as redes ao mar, pois eram pescadores. Disse-lhes Jesus: «Vinde e segui-Me e farei de vós pescadores de homens». Eles deixaram logo as redes e seguiram-n’O. Um pouco mais adiante, viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João, que estavam no barco, na companhia de seu pai Zebedeu, a consertar as redes. Jesus chamou-os e eles, deixando o barco e o pai, seguiram-n’O.
Palavra da salvação.

ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Jo 1, 41-42
Disse André a Simão Pedro, seu irmão:
Encontrámos o Messias, que é Cristo.
E André levou-o a Jesus.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Fortalecei-nos, Senhor, pela comunhão do vosso sacramento, para que, a exemplo do apóstolo Santo André, trazendo sempre em nós os sofrimentos da paixão de Cristo, mereçamos viver com Ele na glória celeste.
Por Nosso Senhor.

Liturgia das horas
Das Homilias de São João Crisóstomo, bispo,
sobre o Evangelho de São João

(Hom. 19, 1: PG 59, 120-121 (Sec. IV)

Encontrámos o Messias
André, depois de permanecer com Jesus e de aprender muitas coisas que Jesus tinha ensinado, não escondeu o tesouro só para si, mas correu pressuroso à busca de seu irmão para o tornar participante da sua descoberta. Repara no que diz a seu irmão: Encontrámos o Messias (que significa Cristo). Vês de que modo manifesta tudo o que tinha aprendido em tão pouco tempo? Com efeito, por um lado manifesta o poder do Mestre que os tinha convencido desta verdade, e por outro lado manifesta o interesse e a diligência dos discípulos que desde o princípio se preocupavam em comunicar estas coisas. São as palavras de uma alma que deseja ardentemente a sua vinda, que espera Aquele que havia de vir do Céu, que exulta de alegria quando Ele Se manifestou e se apressa a comunicar aos outros tão grande notícia. A comunicação mútua das coisas espirituais é sinal de amor fraterno, de parentesco amigo e de afecto sincero.
Repara também na docilidade e prontidão de espírito de Pedro. Acorre imediatamente: E levou o a Jesus, afirma o Evangelho. Ninguém o acuse de leviandade por aceitar o anúncio sem uma longa reflexão. O mais provável é que seu irmão lhe contasse pormenorizadamente mais coisas, pois os evangelistas resumem muitas vezes os factos, por razões de brevidade. Além disso, não afirma que tivesse acreditado imediatamente, mas sim que o levou a Jesus e a Ele o confiou, para que aprendesse do próprio Jesus todas as coisas. Estava ali, de facto, outro discípulo que tinha vindo com os mesmos sentimentos.
Se João Baptista, quando afirma: É o Cordeiro e Baptiza no Espírito Santo, deixou que fosse Cristo a expor com mais claridade estas verdades, com maior razão o fez André, que, não se julgando capaz de explicar tudo, leva o seu irmão à fonte da luz, tão contente e pressuroso que não duvidou um momento.

domingo, 28 de novembro de 2010

I Domingo do Advento

Celebramos Hoje, 28 de Novembro, I Domingo do Advento,(do latim Adventus: "chegada", do verbo Advenire: "chegar a") é o primeiro tempo do Ano litúrgico, o qual antecede o Natal. Este será o Ano Litúrgico A.

ORAÇÃO COLECTA
Despertai, Senhor, nos vossos fiéis a vontade firme de se prepararem, pela prática das boas obras, para ir ao encontro de Cristo, de modo que, chamados um dia à sua direita, mereçam alcançar o reino dos Céus.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

EVANGELHO Mt 24, 37-44
Vigiai, para que estejais preparados


Com o Advento, começa a organização do ciclo anual das leituras e, de maneira geral, de toda a liturgia. O evangelista donde são tiradas, ao domingo, as leituras, ao longo deste ano, não havendo razões especiais em contrário, é S. Mateus. Sublinha ele de modo muito especial, que Jesus é o Messias, Aquele que realiza em Si tudo o que estava predito a seu respeito no Antigo Testamento. Assim, ele nos aponta hoje aquela atitude fundamental do cristão, sobretudo no Advento, que tanto faltou a muitos dos homens de antes de Cristo: a vigilância, própria de quem está à espera para dar acolhimento.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Como aconteceu nos dias de Noé, assim sucederá na vinda do Filho do homem. Nos dias que precederam o dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca; e não deram por nada, até que veio o dilúvio, que a todos levou. Assim será também na vinda do Filho do homem. Então, de dois que estiverem no campo, um será tomado e outro deixado; de duas mulheres que estiverem a moer com a mó, uma será tomada e outra deixada. Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor. Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que horas da noite viria o ladrão, estaria vigilante e não deixaria arrombar a sua casa. Por isso, estai vós também preparados, porque na hora em que menos pensais, virá o Filho do homem.
Palavra da salvação.
ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, estes dons que recebemos da vossa bondade
e fazei que os sagrados mistérios que celebramos no tempo presente sejam para nós penhor de salvação eterna.
Por Nosso Senhor.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Fazei frutificar em nós, Senhor, os mistérios que celebramos,
pelos quais, durante a nossa vida na terra, nos ensinais a amar os bens do Céu e a viver para os valores eternos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

S. Cecília, Virgem e Mártir | 22 Novembro

Celebramos hoje, no calendário Litúrgico, a memória de Santa Cecília, Virgem e Mártir.
O culto de S. Cecília, que deu o nome a uma basílica construída em Roma no século V, difundiu se amplamente a partir da narração do seu martírio em que ela é exaltada como exemplo perfeitíssimo de mulher cristã, que abraçou a virgindade e sofreu o martírio por amor de Cristo.

Nota Histórica

Padroeira da Música, Santa Cecília foi uma jovem de suave beleza que, com inquebrantável força de ânimo e possuída da mais ardente fé, professou e difundiu o Cristianismo.
Interpretada pelos mais notáveis pintores, escultores e poetas, sempre lhe foram atribuídos os mais variados símbolos musicais, embora com particular predilecção pelo órgão. Isso deve-se em grande parte ao carácter religioso que, a partir do século XV, se atribui a este instrumento.

Historicamente as mais antigas referências não lhe conferem dotes particulares de musicalidade. Sabe-se, contudo, que era uma jovem patrícia muito culta, pertencendo a uma das mais ilustres famílias de Roma pelo que, tendo recebido esmerada educação, a prática da música ser-lhe-ía habitual, tocando, provavelmente, algum instrumento mais consentâneo com a sua feminilidade, como a harpa, a lira ou o saltério, pois o órgão, com que tão frequentemente é representada, era ainda um instrumento grosseiro e pouco difundido.
Segundo uma " Paixão " publicada no século V para satisfazer a curiosidade dos peregrinos que visitavam a primitiva Igreja " in Trastévere " dedicada à sua memória em Roma, Cecília, desposada contra vontade por imposição de seus pais, cumpriu o voto de castidade, já anteriormente formulado fazendo saber a Valeriano - o noivo - que a sua alma, bem como o seu corpo, estavam consagrados a Deus.
Valeriano sentiu-se tocado pela pureza daqueles propósitos e, não só prometeu respeitar tais votos, como, procurando o venerando bispo Urbano, que exercia o ministério sacerdotal escondido nas catacumbas, recebeu das suas mãos o baptismo.
Ao regressar, encontrou Cecília em oração e um anjo a seu lado. Este, que tinha duas coroas na mão, colocou uma sobre a cabeça da jovem e a outra sobre a de Valeriano. Penetrado pela graça, o nobre príncipe romano, anima seu irmão Tibúrcio a receber igualmente o baptismo.
Entretanto recrudescia a perseguição aos cristãos e os dois irmãos davam-se à piedosa missão de recolher os corpos daqueles confessores da fé a quem as autoridades imperiais recusavam um lugar nos cemitérios. Pouco depois foram também eles presos e decapitados. Por sua vez, Cecília foi igualmente presa por ter ousado dar-lhes sepultura na sua "vila" da Via Ápia onde, com grande fervor, exercia a caridade acudindo aos pobres e protegendo os perseguidos.
Colocada perante a alternativa de sacrificar aos deuses de Roma ou a morrer, não hesitou e dispôs-se ao sacrifício. Quando, durante os interrogatórios, o prefeito Almáquio lhe lembrava ter sobre ela direito de vida e de morte, respondeu : "É falso, porque podes dar-me a morte, mas não me podes dar a vida."
Almáquio condenou-a a morrer asfixiada por vapor mas, como Cecília sobreviveu a esse suplício, ordenou que lhe cortassem a cabeça. O carrasco, por imperícia ou por ter vacilado ante a serenidade angélica da condenada, depois de três golpes sucessivos não chegou a decepar a formosa cabeça deixando a mártir em dolorosa agonia.
Só passados três dias exalou o último suspiro e todos quantos haviam presenciado o modo sublime como aceitara tamanha provação, convertidos por tal exemplo à mesma fé, suplicavam a sua intercessão para que, na hora suprema, tivessem o mesmo valor e heroísmo por ela demonstrados, mesmo nas maiores angústias.
Nas "Actas" do martírio de Santa Cecília, que se crê tenha ocorrido no ano de 230, lê-se :
Enquanto ressoavam os órgãos, a Virgem Santa Cecília, no íntimo da sua mente, só a Deus se dirigia e cantava : "Permiti, Senhor, que o meu coração e o meu corpo permaneçam imaculados ", tradução da frase original assim iniciada - " Cantantibus organis Caecilia Domino decantabat dicens..." Tomando falsamente a palavra "organis" (designação sumária de instrumento) por órgão, os pintores já no século XV a fantasiavam tangendo-o como acompanhador dos seus piedosos cânticos.
Feita deste modo a primeira iconografia, nada mais natural do que os músicos logo a tenham escolhido para sua protectora. (Henrique Fernandes, 1987)

Liturgia das horas
Dos Comentários de Santo Agostinho, bispo, sobre os Salmos

(Ps. 32, sermo 1, 7-8: CCL 38, 253-254) (Sec. V)

Cantai a Deus com arte e com júbilo


Dai graças ao Senhor com a cítara, tocai em sua honra o saltério de dez cordas. Cantai Lhe um cântico novo. Despojai vos do homem velho, pois conheceis já o cântico novo. Homem novo, testamento novo, cântico novo. O cântico novo não é para homens velhos. Só o aprendem os homens novos, que foram renovados pela graça despojando se do pecado e pertencem já ao novo testamento que é o reino dos Céus. Por ele suspira todo o nosso amor e lhe canta um cântico novo. Cante lhe um cântico novo, não a nossa língua, mas a nossa vida.
Cantai Lhe um cântico novo, cantai Lhe com arte e com alma. Cada qual pergunta como há de cantar ao Senhor. Canta para Ele, mas não cantes mal. Deus não quer ouvir um cântico que ofenda os seus ouvidos. Cantai bem, irmãos. Se te pedem que cantes para um bom apreciador de música de modo que lhe agrade, não te atreves a cantar se não tens preparação musical, pelo receio de lhe desagradar, porque um bom artista notará os defeitos que a qualquer outro passam despercebidos. Quem se atreverá a cantar para Deus, tão excelente conhecedor de cantores, juiz tão completo e tão bom apreciador de música? Como poderás oferecer Lhe tão excelente audição de canto que em nada ofendas ouvidos tão perfeitos?
Mas eis que Ele mesmo te sugere a maneira como Lhe hás de cantar. Não andes à procura de palavras, como se com elas pudesses expressar aquilo que agrada a Deus. Canta com júbilo. Cantar bem para Deus é cantar com júbilo. Que é cantar com júbilo? Compreender e não poder explicar com palavras o que se canta com o coração. Os que cantam na colheita, na vindima ou em qualquer trabalho intenso, começam a exultar de alegria com as palavras do cântico; mas depois, quando cresce a emoção, sentem que já não podem explicá la por palavras, desprendem se da letra das palavras e entregam se totalmente à melodia jubilosa.
O «júbilo» é aquela melodia que traduz a incapacidade de exprimir por palavras o que sente o coração. E a quem pode consagrar se este cântico de júbilo senão ao Deus inefável? É realmente inefável Aquele que não podes dar a conhecer por palavras. E se não tens palavras para O dar a conhecer e não deves permanecer calado, nada mais te resta senão cantar com júbilo. Sim, para que o coração possa expandir a imensidade superabundante da sua alegria sem se ver coarctado pelas sílabas das palavras, cantai ao Senhor com arte e com júbilo.

domingo, 21 de novembro de 2010

Solenidade de Cristo Rei | Ano C - 34º Domingo do Tempo Comum



Celebra-se neste XXXIV Domingo do Tempo Comum a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente, que no vosso amado Filho, Rei do universo,
quisestes instaurar todas as coisas, concedei propício que todas as criaturas, libertas da escravidão, sirvam a vossa majestade e Vos glorifiquem eternamente.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo

EVANGELHO Lc 23, 35-43
«Lembra-Te de mim, Senhor, quando vieres com a tua realeza»

A fé na realeza de Jesus é a que nós confessamos quando chamamos a Jesus Cristo, nosso “Senhor”. Esta “Senhoria” ou realeza de Jesus, reconheceu-a o bom ladrão no meio dos sofrimentos da Cruz, revelou-se claramente na glória da Ressurreição, e esperamo-la nós quando ela se manifestar a todos os homens na última vinda do Senhor, que este Domingo simbolicamente antecipa para alimento da nossa fé e da nossa esperança.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, os chefes dos judeus zombavam de Jesus, dizendo: «Salvou os outros: salve-Se a Si mesmo, se é o Messias de Deus, o Eleito». Também os soldados troçavam d’Ele; aproximando-se para Lhe oferecerem vinagre, diziam: «Se és o Rei dos judeus, salva-Te a Ti mesmo». Por cima d’Ele havia um letreiro: «Este é o Rei dos judeus». Entretanto, um dos malfeitores que tinham sido crucificados insultava-O, dizendo: «Não és Tu o Messias? Salva-Te a Ti mesmo e a nós também». Mas o outro, tomando a palavra, repreendeu-o: «Não temes a Deus, tu que sofres o mesmo suplício? Quanto a nós, fez-se justiça, pois recebemos o castigo das nossas más acções. Mas Ele nada praticou de condenável». E acrescentou: «Jesus, lembra-Te de Mim, quando vieres com a tua realeza». Jesus respondeu-lhe: «Em verdade te digo: Hoje estarás comigo no Paraíso».
Palavra da salvação.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, este sacrifício da reconciliação humana e, pelos méritos de Cristo vosso Filho, concedei a todos os povos o dom da unidade e da paz.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos alimentastes com o pão da imortalidade, fazei que, obedecendo com santa alegria aos mandamentos de Cristo, Rei do universo, mereçamos viver para sempre com Ele no reino celeste.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo

Por ser Domingo de Cristo Rei, recordo, o grande acontecimento que tivemos em 2009 com a comemoração do cinquentenário do Santuário de Cristo Rei, que aconteceu nos dias 16 e 17 de Maio.




História do Santuário Nacional de Cristo Rei - Almada
A ideia da construção do Monumento a Cristo Rei surge em 1934, aquando de uma visita ao Brasil do então Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Gonçalves Cerejeira. Ao passar pelo Rio de Janeiro, viu a imponente imagem de Cristo Redentor do Corcovado e logo no seu coração nasceu o desejo de construir semelhante obra em frente a Lisboa. Em 1936, a ideia de construir o Monumento a Cristo Rei foi transmitida ao “Apostolado de Oração”, que a acolheu entusiasticamente. Para ser Nacional, o Monumento precisava de aprovação e cooperação de todos os Bispos Portugueses. Tal sensibilização aos Bispos é conseguida, sendo proclamada oficialmente na Pastoral Colectiva da Quaresma de 1937.
Face ao contexto social e político vivido nos anos 30, os Bispos Portugueses apontaram três razões para a construção do Monumento a Cristo Rei:
1 – O dever de um desagravo social pela conspiração universal de Cristo
2 – Um grande dever de gratidão nacional, pois ao contrário de outros países, em Portugal, por uma singular providência vivia-se em paz, num progresso espiritual e o monumento seria assim um profundo e sentido agradecimento a Cristo.
3 – Uma exigência de restauração nacional
Em 1939, inicia-se a II Guerra Mundial e foi durante este período que a ideia da construção do Monumento a Cristo Rei ganhou um novo sentido e vigor.
Em 20 de Abril de 1940, em Fátima, os bispos nacionais, no final do seu Retiro anual, formularam o seguinte voto: “Se Portugal fosse poupado da Guerra, erguer-se-ia sobre Lisboa um Monumento ao Sagrado Coração de Jesus, sinal visível de como Deus, através do Amor, deseja conquistar para Si toda a humanidade”.
Portugal manteve uma posição de neutralidade na II Guerra Mundial, não participando directamente nas acções de bélicas e esse facto foi decisivo para que se colocasse em marcha uma campanha nacional de angariação de fundos, para que a construção fosse uma realidade. No entanto, esta campanha tornou-se lenta devido ao contexto de guerra. Mesmo assim e apesar de todas as dificuldades, em 1941 foi adquirido o terreno para a construção do Monumento.
Cerca de um ano após o final da II Guerra Mundial, em 18 de Janeiro de 1946, na Pastoral Colectiva, o Episcopado português para além de fazer referência ao 3º Centenário da Coroação de Nossa Senhora da Conceição como Padroeira de Portugal, declarou formalmente ter feito a promessa de erguer o Monumento a Cristo Rei e, a partir daí, a campanha de angariação de fundos intensificou-se activamente.
Devemos também fazer referência à participação de todas as crianças portuguesas na campanha de angariação de fundos para a construção do Monumento, campanha essa que se chamou “Pedras Pequeninas” estendendo-se desde 1939 até 1958.A 18 de Dezembro é solenemente lançada a 1ª Pedra do Monumento a Cristo Rei. Dois anos depois, iniciam-se os trabalhos das fundações e finalmente em 1952, a empresa Obras Públicas e Cimento Armado (OPCA) começa a construção dos alicerces. A obra foi realizada através de um sistema de cofragem especial, ou seja, os chamados moldes viajantes, em que o andaime era a própria estrutura, recebendo o betão, nos quais se via crescer o pedestal da imagem de Cristo Rei, camada após camada.
A imagem foi construída na própria estrutura, utilizando-se para o efeito moldes de gesso, preparados previamente a partir da maqueta.
No total utilizaram-se cerca de 40 mil toneladas de betão. Depois de construído, foi esculpido à mão num trabalho de minúcia, desenvolvido a mais de cem metros do chão.
Importa salientar que nenhum homem morreu na construção deste imponente monumento.
A 17 de Maio de 1959 (Dia de Pentecostes) perante a imagem de Nossa Senhora de Fátima, com a participação de todo o Episcopado Português, os Cardeais do Rio de Janeiro e de Lourenço Marques (Maputo), autoridades civis e de 300 mil pessoas, inaugurou-se o Monumento. Sua Santidade, o Papa João XXIII fez-se presente por Radiomensagem. Na ocasião, o Cardeal Cerejeira fez uma consideração eloquente: "Este será sempre um sinal de Gratidão Nacional pelo dom da Paz".
Importa referir que a imagem de Cristo Rei é da autoria de Mestre Francisco Franco e a imagem de Nossa Senhora da Paz, que se encontra na Capela do Monumento, é do Mestre Leopoldo de Almeida, sendo que o projecto tem como autores o arquitecto António Lino e o Engenheiro D. Francisco de Mello e Castro.
O Monumento de Cristo Rei é um farol divino, uma mensagem de amor, uma grandiosa profissão de Fé! (Fonte: Santuário Nacional de Cristo Rei)
Foram havendo sucessivas mudanças, no decorrer dos anos, até que nos dias 16 e 17 de Maio de 2009, se comemorou o Cinquentenário do Santuário do Cristo-Rei. Foram mais de 100 mil pessoas que participaram nas comemorações, que se iniciaram em Lisboa, atravessaram o Tejo e tiveram o seu ponto alto no promontório do Santuario , em Almada, numa cerimónia presidida pelo Cardeal D. José Saraiva Martins, enviado especial de S.S. o Papa Bento XVI, tendo durante a Celebração enviado em directo de Roma, uma mensagem alusiva a este dia tão especial para todos os Portugueses. Algumas imagens das comemorações do dia 17 de Maio de 2009


Eucaristia Presidida por D. José Saraiva Martins
Patriarca de Lisboa, Bispos e Padres

A imagem de Nossa Senhora de Fátima

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

S. Martinho, Bispo | 11 de Novembro

Pintura centenária - Sacristia da Igreja Matriz de S. Martinho de Campo - Valongo


Hoje, no calendário Litúrgico, Celebramos a Memória de São Martinho, Bispo

Nota Histórica
Nasceu na Panónia cerca do ano 316, de pais pagãos. Depois de receber o Baptismo e de renunciar à carreira militar, fundou um mosteiro em Ligugé (França), onde levou vida monástica sob a direcção de S. Hilário. Foi depois ordenado sacerdote e, mais tarde, eleito bispo de Tours. Foi modelo insigne de bom pastor; fundou outros mosteiros, dedicou se à formação do clero e à evangelização dos pobres. Morreu no ano 397.


Certa vez quando o militar, mas ainda não batizado, Martinho partiu em duas partes seu manto para dá-lo a um pobre, e assim Jesus aparece-lhe na noite seguinte e disse-lhe: "Martinho, principiante na fé, cobriu-me com este manto". Homem de Deus foi batizado e abandonou a vida militar para viver intensamente a vida religiosa e as inspirações do Espírito Santo para sua vida.

ORAÇÃO COLECTA
Senhor, que fostes glorificado pela vida e pela morte do bispo São Martinho, renovai em nossos corações as maravilhas da vossa graça, de modo que nem a morte nem a vida nos possam separar do vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


EVANGELHO Mt 25, 31-40
«O que fizestes a um dos meus irmãos mais pequeninos,
a Mim o fizestes»


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Quando o Filho do homem vier na sua glória com todos os seus Anjos, sentar-Se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão na sua presença e Ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos; e colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai; recebei como herança o reino que vos está preparado desde a criação do mundo. Porque tive fome e destes-Me de comer; tive sede e destes-Me de beber; era peregrino e Me recolhestes; não tinha roupa e Me vestistes; estive doente e viestes visitar-Me; estava na prisão e fostes ver-Me’. Então os justos Lhe dirão: ‘Senhor, quando é que Te vimos com fome e Te demos de comer, ou com sede e Te demos de beber? Quando é que Te vimos peregrino e Te recolhemos, ou sem roupa e Te vestimos? Quando é que Te vimos doente ou na prisão e Te fomos ver?’. E o Rei lhes responderá: ‘Em verdade vos digo: Quantas vezes o fizestes a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes’».
Palavra da salvação.

Imagem de S.Martinho, que se Venera na Igreja Matriz de Penafiel - Foto:Tiago Lopes(2009)


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Santificai, Senhor, estas ofertas, que alegremente Vos oferecemos em honra de São Martinho e, no meio das alegrias e provações, orientai sempre para Vós a nossa vida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos alimentastes com o sacramento da unidade, fazei que Vos agrademos em todas as coisas, para que, a exemplo de São Martinho, obedecendo sempre à vossa vontade, sintamos a alegria de ser totalmente vossos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Todos os Santos | 1 de Novembro

Celebramos Hoje, o dia de TODOS OS SANTOS

Nota Histórica
«Os Santos, tendo atingido pela multiforme graça de Deus a perfeição e alcançado a salvação eterna, cantam hoje a Deus no Céu, o louvor perfeito e intercedem por nós.
A Igreja proclama o mistério pascal, realizado na paixão e glorificação deles com Cristo, propõe aos fiéis os seus exemplos, que conduzem os homens ao Pai por Cristo; e implora, pelos seus méritos, as bênçãos de Deus.
Segundo a sua tradição, a Igreja venera os Santos e as suas relíquias autênticas, bem como as suas imagens. É que as festas dos Santos proclamam as grandes obras de Cristo nos Seus servos e oferecem aos fiéis os bons exemplos a imitar» (Constituição Litúrgica, n.º 104 e 111).


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente,
que nos concedeis a graça de honrar numa única solenidade
os méritos de Todos os Santos,
dignai-Vos derramar sobre nós,
em atenção a tão numerosos intercessores,
a desejada abundância da vossa misericórdia.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

EVANGELHO Mt 5, 1-12a
«Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa»


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, ao ver as multidões, Jesus subiu ao monte e sentou-Se. Rodearam-n’O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo: «Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados os humildes, porque possuirão a terra. Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é o reino dos Céus. Bem-aventurados sereis, quando, por minha causa, vos insultarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa».
Palavra da salvação.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai benignamente, Senhor,
os dons que Vos apresentamos
em honra de Todos os Santos
e fazei-nos sentir a intercessão
daqueles que já alcançaram a imortalidade.
Por Nosso Senhor.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Nós Vos adoramos, Senhor nosso Deus,
única fonte de santidade,
admirável em todos os Santos,
e confiadamente Vos pedimos a graça
de chegarmos também nós à plenitude do vosso amor
e passarmos desta mesa de peregrinos
ao banquete da pátria celeste.
Por Nosso Senhor.

Missão 2010 | Novembro: Esperança

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

S. Simão e S. Judas Tadeu | Apóstolos - 28 de Outubro

Recordamos hoje, 28 de Outubro, no Calendário Litúrgico, S. Simão e S. Judas Tadeu, Apóstolos.

Imagem de S. Simão - Que se Venera na Capela de Nª SRª da Hora em Valongo

Nota Histórica:
O nome de Simão figura em undécimo lugar na lista dos Apóstolos. Dele se sabe apenas que nasceu em Caná e que tinha o denominativo de «Zelotes».

Imgem de S. Judas Tadeu - Que se Venera na Sé Primaz de Braga

Nota Histórica:
Judas, de sobrenome Tadeu, é o Apóstolo que na Última Ceia perguntou ao Senhor por que razão Se manifestava aos seus discípulos e não ao mundo (Jo 14, 22).
Em razão da tremenda traição de Judas Escariotes contra o nosso Salvador, o nome de Judas adquiriu tão má reputação que até o Santo Apóstolo, Judas Tadeu, sofreu com isso. Parece querer Nosso Senhor reparar a honra deste Apóstolo acudindo aos que em grande aflição recorrem a S. Judas Tadeu.
Judas Tadeu era muito próximo parente de Jesus e Maria. Este glorioso Apóstolo foi muito zeloso em espalhar o Evangelho. Converteu uma multidão de almas e acabou a sua vida por uma morte heróica. Nosso Senhor disse a Santa Brrígida que recorresse a S. Judas Tadeu em conformidade com o seu apelido «Tadeu» (o amável, amoroso) porque «Ele gostará muito de acudir».

ORAÇÃO COLECTA

Deus de infinita misericórdia, que nos fizestes chegar ao conhecimento do vosso nome por meio dos bem-aventurados Apóstolos, concedei-nos, por intercessão de São Simão e SãoJudas, que a vossa Igreja cresça continuamente com a conversão dos povos ao Evangelho.Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

EVANGELHO Lc 6, 12-19
«Escolheu doze, a quem chamou apóstolos»


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas Naqueles dias, Jesus subiu ao monte para rezar e passou a noite em oração a Deus. Quando amanheceu, chamou os discípulos e escolheu doze entre eles, a quem deu o nome de apóstolos: Simão, a quem deu também o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu, Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado o Zelota; Judas, irmão de Tiago, e Judas Iscariotes, que veio a ser o traidor. Depois desceu com eles do monte e deteve-Se num sítio plano, com numerosos discípulos e uma grande multidão de pessoas de toda a Judeia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e de Sidónia. Tinham vindo para ouvir Jesus e serem curados das suas doenças. Os que eram atormentados por espíritos impuros
também ficavam curados. Toda a multidão procurava tocar Jesus, porque saía d’Ele uma força que a todos sarava.
Palavra da salvação.

Na Missa votiva de todos os Santos Apóstolos, utilizam-se as leituras precedentes.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, as ofertas que Vos apresentamos,
ao recordar a glória dos apóstolos São Simão e São Judas
e fazei-nos celebrar dignamente estes santos mistérios.
Por Nosso Senhor.

ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos alimentastes com os vossos sacramentos
na festa do glorioso martírio de São Simão e São Judas,
pela virtude do Espírito Santo, que actua nestes mistérios,
confirmai-nos sempre no vosso amor.
Por Nosso Senhor.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Missão 2010 | Outubro: Missão

(vídeo correspondente ao mês de Outubro)

sábado, 2 de outubro de 2010

Missão 2010 - Diocese do Porto

Missão 2010
No âmbito da Missão 2010, da Diocese do Porto que teve o seu inicío em Janeiro, e dada a abrangência da Temática - Missão 2010 "Correponsabilidade para a Nova Evangelização", faz todo o sentido que neste blogue, se explique em que consiste.
A “Corresponsabilidade para a Nova Evangelização” é o lema da Missão 2010 que está já no terreno, na Diocese do Porto. O dia 28 de Maio de 2009 foi o momento alto da pré-preparação da Missão 2010. Após vários meses de trabalho conjunto com os responsáveis dos Secretariados Diocesanos, reuniões sectoriais e recolha de partilhas junto dos diversos órgãos de consulta, formais e informais, o Senhor D. Manuel Clemente apresentou à comunidade diocesana, representada nas cerca de 2000 pessoas que fizeram pequeno, nesse dia, o Grande Auditório da Casa Diocesana de Vilar, o esboço da programação proposta para o Ano 2010.
Ficou bem claro para todos que o programa apresentado não fechava a capacidade de iniciativa das comunidades. Pelo contrário, as indicações programáticas apresentadas queriam ser catalisadoras das programações locais. Aliás, o timing escolhido para a apresentação quis presentear os Conselhos Paroquias de Pastoral e todos os agentes de pastoral local com informações e subsídios que facilitassem o enquadramento da metodologia da Missão 2010 na programação dos respectivos calendários de actividades paroquiais e vicariais, bem como a programação própria das comunidades religiosas e das associações, dos movimentos e obras.
A metodologia da Missão 2010 é a seguinte: cada mês tem uma palavra-chave que pretende, tanto quanto possível, resumir a dinâmica principal do respectivo mês. Os Secretariados Diocesanos apresentam, para cada mês, uma actividade de referência. As palavras-chave e as actividades referência foram salientadas das vivências culturais próprias de cada mês.

Janeiro entra no ano ao ritmo do «Anúncio». A dinâmica proposta é o “Canto das Janeiras”. Cada comunidade, paróquia, capelania, reitoria, instituto, congregação, associação, movimento ou obra laical é convidada a criar, dar continuidade ou retomar o “Canto das Janeiras" anunciando em espaços públicos o Natal de Cristo para a vida do mundo. A actividade referência aconteceu no dia 23 de Janeiro, no Palácio de Cristal, com a participação de grupos oriundos das 4 regiões pastorais
...
Em Outubro vive-se a «Missão», com a realização, a 23 e 24, do Congresso missionário que será já um reviver do caminho feito dos meses passados em Missão.
Pe. Américo Aguiar, Vigário Geral da Diocese do Porto
(para ver as actividades de referência próprias dos meses não descritos) - clique -
Missão 2010

sábado, 7 de agosto de 2010

Festas em Honra de São Mamede - Valongo 2010


Realizam-se entre 13 e 17 de Agosto as Festividades em Honra do Padroeiro de Valongo - São Mamede. Entre as diversas actividades Culturais, Ranchos Folclóricos, Grupos de Cantares, Bombos, Grupos Musicais, Destaque para o dia 17 – Terça (Dia de São Mamede)
07h00 – Alvorada
08h00 - Eucaristia

11h00 – Eucaristia Solene

14h00 – Entrada das Bandas de São Martinho de Campo – Filarmónica de Valongo e Cête – Paredes

15h30 – Concerto pelas bandas

17h30 – Entrada dos Bombos

18h00 – Saída da Majestosa Procissão – “Procissão do Triunfo”

21h30 – Concerto pelas Bandas de S. Martinho de Campo e Cête

23h50 – Sessão de Fogo-de-artifício


Romarias nortenhas no Porto Canal


As festas de S. Mamede, em Valongo, dia 17 de Agosto, de La Salette, em Oliveira de Azemeis, a 18, e a romaria de Nossa Senhora da Agonia, em Viana, de 20 a 22 deste mês, vão ser os próximos eventos populares a serem transmitidos pelo programa de entretenimento do Porto Canal que se chama "Romaria do meu coração".
Pedro Gil Vasconcelos, responsável pela Duport Media, que produz o programa, citado pela agência Lusa, explica que o objectivo da produção é "mostrar algumas das mais interessantes marcas culturais que as festas populares mantêm, muitas vezes com tradições enraizadas em séculos de história".
O universo de romarias e festas populares até agora percorrido pelo programa é "vasto e diversificado", o que tem constituído "um desafio para a equipa", sustentou aquele responsável.
Até agora, para este canal, foram já produzidos e emitidos seis programas. Um dedicado ao S. João do Porto, outro sobre o S. João de Sobrado. As emissões destacaram ainda o S. Pedro da Afurada, a celebração em honra de S. Torcato, junto a Guimarães, a da Nossa Senhora do Bom Despacho, na Maia, e as Festas do Sanguinhedo, em Santo Tirso.

Gravações até Setembro
As gravações mantêm-se até Setembro, com a equipa a acompanhar outras das mais tradicionais celebrações nortenhas.
Esta série, transmitida pelo canal do cabo dedicado ao Porto e à região Norte, é constituída por 13 programas, transmitidos às quartas-feiras às 22 horas, com repetição aos sábados às 16 e aos domingos também às 22 horas.


SÃO MAMEDE

São Mamede ou Mamas, viveu na Capadócia, perto de Cesareia, hoje Kayseri. Estes dados históricos são-nos atestados por dois documentos que relatam a sua condição de mártir e de humilde pastor, bem como nos fazem supor, ao mesmo tempo, o seu culto, a sua reputação e destino extraordinários. Trata-se de duas homilias compostas por alguns anos de intervalo. A primeira homilia de São Basílio, o Grande, (+ 1.º Janeiro de 379), precisamente Bispo de Cesareia entre 370-379. É um panegírico pronunciado na basílica local, Macellum, dedicada ao mártir em 345, e é um elogio que específica a sua condição de pastor, a sua pobreza, a sua grande fé coroada pelo martírio. A segunda homilia de São Gregório do Nazianzo, o Teólogo, amigo de Basílio, (* 330- + 390), datada, comummente, de 16 Abril de 383, primeiro domingo após a Páscoa, ou domingo novo, onde ele explica o significado da alusão, porque termina evocando o mártir, celebrado no mesmo dia, sublinhando que ele tratava dos bichos. Homilia pronunciada num santuário dedicado ao seu culto perto de Nazianzo, cidade a oeste de Cesareia.
Nem uma nem outra falam das origens familiares de São Mamede, da sua idade, quando foi martirizado, da época e do género do seu martírio. A tradição retórica
não quis deixar de colocar juventude e suplícios vários que a tradição escrita transmitirá solidamente. O martírio remonta à perseguição de Diocleciano que teve inícios em 303. Situação vivida heroicamente por muitos antepassados que se refugiavam nas florestas. A imaginação dos peregrinos dificilmente se contentaria com os dados sólidos acima apresentados, contudo pobres. Assim foi-se criando a Lenda do Santo, que nos transmitem mais episódios da sua Vita (Passio) e que, difundidos, inspiraram grande quantidade de obras de arte: igrejas, imagens, pinturas, tapeçarias, escritos, etc. A lenda apresenta-o como órfão de pai ao seu nascimento. Os seus pais, Teódato e Rufina, morreram na prisão pela fé cristã. É entregue aos cuidados de Ammia, ama de leite. A perseguição chegou entretanto. Ainda adolescente, dedica-se às obras de misericórdia, exorta os seus companheiros a não caírem e a não observarem as prescrições idolátricas e a permanecerem firmes na fé. É preso e levado a comparecer diante do Imperador Aureliano. É ameaçado. Os diversos suplícios que lhe infligem tornam-no inquebrantável.
Sobre o monte Argée, onde a mão de Deus o conduziu, ele leva uma existência de pastor eremita, evangelizando as bestas selvagens, que lhe oferecem o leite com o qual prepara queijos para socorrer os pobres. É preso novamente, colocado numa fornalha ardente e exposto às bestas mais ferozes; quiseram mesmo lapida-lo. De tudo saiu são e salvo. O perfeito Alexandre fê-lo esventrar com um tridente. Chamado por uma voz do céu, ele encontra-se já na casa do Senhor.

Cf. Paul Viard. Cónego de Langres. Dictionnaire Catholicisme. Tomo VIII .º, coluna 287-290.

Senhor "Ecce Homo" - Senhor da Cana Verde

Senhor "Ecce Homo" - Senhor da Cana Verde

Vídeos